sexta-feira, 3 de julho de 2015

Novo evento de chuva volumosa é previsto para os próximos 15 dias em parte do Centro-Sul do país


A chuva que voltou a cair em grande quantidade em parte do Centro-Sul do Brasil nas últimas 24 horas provocou estragos como alagamentos, desabamentos e deslizamentos de terra em diversos municípios do centro, noroeste e norte do Paraná e no sudeste de Mato Grosso do Sul.
Estações meteorológicas operadas pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) e Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) registraram valores de até 100 milímetros e com extremos superiores a 150 mm em menos de 10 horas.
Toda a instabilidade, promovida pela intensificação de áreas de instabilidade, e não frente fria, ainda manteve a chuva caindo de forma intermitente no sul e sudoeste de São Paulo, com acumulado superior a 50 mm na região de Avaré.

A simulação numérica proposta pelo modelo norte-americano GFS indica que ao longo das próximas 168 horas, ou seja, sete dias, o volume de chuva possa totalizar mais de 100 mm, principalmente no leste de São Paulo, o que inclui a Região Metropolitana, litoral e Vale do Paraíba. A chuva pode cair também sobre boa parte do Sistema Cantareira.

Na segunda semana, entre 11 e 19 de julho, o modelo volta a intensificar e muito a chuva entre o Paraná, Mato Grosso do Sul e São Paulo, com acumulados superiores a 200 mm.
Se somados o montante que já caiu nas últimas 24 horas com a previsão para os próximos 15 dias, vários municípios, principalmente da metade norte paranaense, podem totalizar até 400 mm de chuva, o que torna a região altamente propícia ao registro de danos naturais como alagamentos, enchentes e deslizamentos.
A colheita da safrinha, principalmente do milho, feijão e amendoim, já está comprometida no Vale do Paranapanema, no centro-oeste de São Paulo, devido à umidade elevada observada dos últimos dias.

(Crédito da imagem: Reprodução/IGES/COLA)

(Fonte da informação: De Olho No Tempo Meteorologia)

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Cavaco Festa Julina na Escola Irineu Mendes Machado


A Escola Irineu Mendes Machado, de Cavaco Município de Cantagalo, realizou festa julina na ultima quarta feria 01-07-2015. Iniciou-se as treze horas com diversas atrações, comidas e bebidas tipicas do evento, Ouve apresentações da dança da quadrilha pelos alunos, e envolveu Pais e Professores e reuniu muita gente de Cavaco e comunidades vizinhas e foi uma grande festa.
Encerramento com bingo.

Parabéns a Diretora Vilma, Professores e funcionários pela organização.


Venda de lâmpadas incandescentes de 60W está proibida


O processo de funcionamento das chamadas lâmpadas quentes exige temperaturas elevadas para gerar luz.

Geral - 02/07/2015 - Informação: Maiana Diniz – Agência Brasil

A partir desta quarta-feira (1º), as lâmpadas incandescentes com potência de 60W vão sair de circulação. Agora é proibido produzir, importar e vender esse tipo de lâmpada no Brasil. As multas para quem descumprir a regra variam de R$ 100 a R$ 1,5 milhão, informa o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

O motivo da retirada do produto do mercado é sua baixa eficiência energética, já que são lâmpadas que consomem muita energia para iluminar pouco. O processo de funcionamento das chamadas lâmpadas quentes exige temperaturas elevadas para gerar luz. A maior parte desse calor é perdida para o ambiente. “Somente 5% da energia gasta é usada para iluminação. O resto é usado para aquecer a lâmpada. É muita energia para pouca luz”, diz o professor de engenharia elétrica Luciano Duque.

De acordo com o professor, o maior obstáculo para a troca por tecnologias mais eficientes, como as lâmpadas fluorescentes compactas ou as de LED, ainda é o preço. “É possível encontrar lâmpadas de LED a partir de R$ 20. Se se comparar com uma incandescente, de R$ 4, realmente a diferença é muito grande, mas a economia na conta de luz vale a pena.”

O engenheiro do Inmetro Marcos Borges afirma que, nos últimos anos, a população tem se conscientizado sobre a questão. “Em 2010, 70% dos lares brasileiros eram iluminados por lâmpadas incandescentes. Hoje o número se inverteu. Agora, somente 30% das residências usam as incandescentes.”

Segundo Borges, o fim do consumo de lâmpadas incandescentes nas casas brasileiras pode gerar uma economia de 4% de toda a energia elétrica usada para abastecer residências. A previsão do Inmetro é que os preços caiam, com a saída das lâmpadas de 60W do mercado e o início da produção em larga escala de lâmpadas fluorescentes e de LED.

Para as famílias que não têm condições de trocar todas as lâmpadas incandescentes de uma só vez, Duque recomenda que façam a mudança aos poucos, de acordo com o orçamento familiar e começando pelo cômodo da casa que fica mais tempo com as luzes acesas. “A cada lâmpada trocada, a família vai ver a economia na conta de luz”. A troca de uma lampada de 60W incandescente por uma de LED com luminosidade equivalente, ligada 4 horas por dia, levará à economia média de R$ 36 por ano na conta da luz, informou.

O processo de retirada de lâmpadas incandescentes do mercado brasileiro teve início em 2010. Desde então, foram retiradas do mercado as lâmpadas incandescentes de 100W, 150W e 200W. Com a proibição das de 60W, ficam faltando apenas as de potência entre 25W e 40W, que deixarão e ser comercializadas em 30 de junho de 2016.

Quando se comparam os efeitos de produtos de tecnologia mais moderna, como as lâmpadas fluorescentes compactas e as de LED, o uso das incandescentes não se justifica, afirma o professor de engenharia elétrica. Uma lâmpada incandescente de 60W, ligada 5 horas por dia, por 30 dias, consome em média 9kw/h. Uma fluorescente de 20W, que gera a mesma intensidade de luz, ligada pelo mesmo tempo, consome 3,6kw/h. Uma lampada de LED de 8W, que permaneça 5 horas durante 30 dias, consome 1,2 KW/h.

O Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel) informa que a diferença de duração das lâmpadas é grande. Segundo o Procel, as incandescentes duram em média 1.000 horas; as fluorescentes, 6 mil horas; e as de LED, 25 mil horas.

O Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel) informa que a diferença de duração das lâmpadas é grande. Segundo o Procel, as incandescentes duram em média 1.000 horas; as fluorescentes, 6 mil horas; e as de LED, cerca de 25 mil horas.


Aécio Neves sai na frente no Paraná


quarta-feira, 1 de julho de 2015 – 12:20 hs
O senador Aécio Neves (PSDB) saiu na frente na primeira pesquisa sobre as eleições presidenciais no Paraná. O tucano tem 46,8% conforme levantamento do Instituto Paraná Pesquisas. Em segundo lugar, aparece Marina Silva (PSB) com 17,9%, seguida do ex-presidente Lula (PT) com apenas 14,9%. O presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB) tem 4% e o senador Ronaldo Caiado (DEM), aparece com 2,8%. Com as informações da Gazeta do Povo.

O cenário favorável ao PSDB muda se o candidato for o governador de São Paulo Geraldo Alckmin. Nesse cenário, o tucano fica em segundo lugar com 26,8%, atrás de Marina Silva com 28%. Lula continua em terceiro lugar, mas dessa vez com 16,9% e Cunha sobe para 6,11% e Caiado chega aos 3,2%.

O Paraná Pesquisas entrevistou 1.344 eleitores em 58 municípios paranaenses entre 20 e 24 de junho. A margem de erro é de 5 pontos porcentuais, num intervalo de confiança de 95%.

Via Fabio Campana

Lideranças entregam documento em Brasília

Foto ilustrativa

O objetivo é reduzir os pedágios e duplicar o Anel de Integração

Lideranças políticas e empresariais se reuniram com o ministro dos Transportes, Antônio Carlos Rodrigues, na tarde desta quarta-feira, dia 1º, em Brasília. O objetivo foi a entrega de um documento solicitando ao governo federal a renovação da delegação do Anel de Integração que possui mais de 1800 quilômetros de rodovias federais por mais 24 anos, a partir de 2022. Essa medida permitirá negociações com as seis concessionárias, para a execução de novas obras e a redução nas tarifas de pedágio.

No encontro, a vice governadora Cida Borghetti e representantes das entidades empresariais fizeram explanações sobre a importância da delegação das rodovias. O documento foi entregue pelo presidente da FAEP, Ágide Meneguette.

Acompanhado do secretário de Gestão de Programas de Transportes do Ministério dos Transportes, Luciano de Castro, a quem caberá examinar a solicitação paranaense, o ministro disse que estudo serão feitos e a decisão caberá ao Palácio do Planalto.

Estiveram presentes os deputados: Luiz Nishimori (PR); Osmar Serraglio (PMDB); Ricardo Barros (PP); Zeca Dirceu (PT);Edmar Arruda (PSC); Dilceu Sperafico (PP); Nelson Meurer (PP); Alex Canziani (PTB) e Sandro Alex (PPS).

O documento é assinado pelo Presidente da Federação da Agricultura do Paraná (FAEP); por Darci Piana, Presidente da FECOMÉRCIO; Guido Bresolim, Presidente da FACIAP; Antonio Miguel Espolador Neto, Presidente da Associação Comercial do Paraná, e pelo Coronel Sergio Malucelli, Presidente da FETRANSPAR.

Radialista comunitário paga multa de R$ 3 mil com moedas para protestar em Campinas



Condenação da Justiça deu início a ato pelas rádios comunitárias.
"Nunca houve nada parecido nas agências da cidade", afirma banco.

O radialista Jerry de Oliveira chamou a atenção em uma agência da Caixa, no Centro deCampinas (SP), ao pagar uma multa no valor de R$ 3,1 mil apenas com moedas nesta tarde de quarta-feira (1º). Ele foi condenado pela Justiça Federal sob a acusação de calúnia, injúria e difamação contra dois agentes da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) durante o fechamento de uma emissora comunitária no município há seis anos.

Oliveira conta que a condenação deu início a um protesto que previa o pagamento da multa com moedas e uma campanha pelas rádios comunitárias. O ato, que contou com o apoio de diversos movimentos sociais, foi realizado nesta quarta-feira, no Largo do Pará, já que segundo o radialista, esse era o prazo que ele tinha para quitar o documento e não ser detido.
“A gente queria chamar atenção para a liberdade de comunicação e resolveu chamar atenção com a multa em moedas. A ideia surgiu porque não valia a pena abrir um recurso e o custo seria mais alto do que a própria multa", explicou.

Moedas pelo chão

Durante o ato, moedas de R$ 1, R$ 0,50, R$ 0,10 e R$ 0,05 foram espalhadas pelo chão em frente ao prédio da Justiça Federal. Segundo Oliveira, eram mais de 30 mil, o que daria aproximadamente 250 quilos de metal.

O radialista conta que com a ajuda das rádios comunitárias de todo o país foi muito rápido arrecadar a quantia. "Elas se solidarizaram em ajudar no pagamento. E foi muito rápido, três meses e veio de todo canto do Brasil. Até as prostitutas do Jardim Itatinga ajudaram", destacou.
Foram necessários dois carrinhos de mão para levar o pagamento simbólico até a agência da Caixa, que fica ao lado da Justiça Federal, para efetuar o pagamento. No entanto, o radialista avaliou o ato desta quarta como uma vitória. "Nos estamos felizes da vida com essa conquista solidária”, destacou.
Contagem das moedas

Segundo a assessoria da Caixa, nunca houve nada parecido nas agências de Campinas e foram necessários três funcionários para ajudar a separar as moedas e inseri-las na máquina que faz a contagem. O procedimento durou uma hora e meia.
A assessoria do banco disse ainda que o radialista conseguiu pagar o documento e que até sobraram moedas, mas que não foi possível apurar quantas eram no total. Mesmo com a movimentação, a agência funcionou normalmente.
A Anatel foi procurada pelo G1 para comentar o caso, mas o órgão não respondeu até a publicação da reportagem.

Do G1 Campinas e Região


Postado por RÁDIO COMUNITÁRIA ZUMBI DOS PALMARES FM às 16:24

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Goioxim: Reunião do Programa Família Paranaense




Neste dia 01/07/2015 aconteceu no Centro de Convivência da Terceira Idade do Município de Goioxim, a reunião mensal do Programa Família Paranaense, organizada pela equipe técnica do Centro de Referência e Assistência Social - CRAS, que contou com a presença da enfermeira Emilene Foss a qual apresentou uma palestra referente à “Higiene e Saúde, com enfoque no Combate e Prevenção de Doenças Típicas do Inverno.” O encontro contou com a participação de 40 pessoas, e ainda com presença da primeira dama Solange Schreiner que fez a entrega de cobertores, disponibilizados pela Secretaria de Assistência Social, para a campanha do agasalho.