sábado, 25 de outubro de 2014

Ibope Dilma 53%, Aécio 47%,


sábado, 25 de outubro de 2014 – 18:32 hs


Infográfico: G1



O Ibope ouviu 3.010 eleitores em 206 municípios nos dias 24 e 25 de outubro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de dois pontos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%. A pesquisa, encomendada pela TV Globo e pelo Estadão, está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-01195/2014.

Via Fabio Campana

Datafolha Nova Pesquisa Presidenciaveis Aponta Empate Tecnico


Empate técnico:
Dilma 52%, Aécio 48%,
diz Datafolha


sábado, 25 de outubro de 2014 – 18:35 hs


Infográfico: G1






O Datafolha ouviu 19.318 eleitores em 400 municípios nos dias 24 e 25 de outubro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. Isso significa que, se forem realizados 100 levantamentos, em 95 deles os resultados estariam dentro da margem de erro de dois pontos prevista. A pesquisa, encomendada pela TV Globo e pela Folha de S. Paulo, está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-01210/2014.

Via Fabio Campana

Nova Pesquisa Eleitoral Para Presidente CNT/NDA


Aécio 50,3%, Dilma 49,7% diz CNT/MDA
sábado, 25 de outubro de 2014 – 11:33 hs.




Da CNT:

Saiu a primeira das seis pesquisas que serão divulgadas hoje. De acordo com a CNT/MDA, em votos válidos, Aécio tem 50,3%, e Dilma 49,7%.

A Pesquisa realizada 23 e 24 de outubro de 2014 e divulgada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) foi registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o número BR – 01199/2014. Foram entrevistadas 2.002 pessoas de 137 municípios de 25 Unidades da Federação.



INTENÇÃO DE VOTO PARA PRESIDENTE (ESPONTÂNEA)
Aécio Neves (44,4%), Dilma Rousseff (43,3%)

2º TURNO – INTENÇÃO DE VOTO PARA PRESIDENTE (ESTIMULADA)
Aécio Neves (PSDB) – 45,3%
Dilma Rousseff (PT) – 44,7%

VOTOS VÁLIDOS
(percentual calculado excluindo os percentuais de branco, nulo e indecisos)
Aécio Neves (PSDB) – 50,3%
Dilma Rousseff (PT) – 49,7%

LIMITE DE VOTO
DILMA ROUSSEFF: é a única em que votaria (37,9%); é uma candidata em que poderia votar (17,3%); não votaria nela de jeito nenhum (43,3%); não conhece/não sabe quem é/ nunca ouviu falar (0,1%).
AÉCIO NEVES: é o único em que votaria (38,4%); é um candidato em que poderia votar (16,3%); não votaria nele de jeito nenhum (42,8%); não conhece/não sabe quem é/ nunca ouviu falar (1,1%).

A 126ª Pesquisa CNT/MDA mostra que Aécio Neves está numericamente à frente de Dilma Rousseff. Importante ressaltar que Aécio inverteu a curva de queda e voltou a subir.

Provavelmente, o debate da Rede Globo definiu as eleições, com grandes possibilidades de Aécio ser eleito presidente da República neste domingo.


Via Fabio Campanha

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Aécio lamenta baixo nível da campanha adversária






"Isso não honra ninguém. Isso não dignifica a política", alerta o candidato



O candidato à Presidência da República pela Coligação Muda Brasil, Aécio Neves, lamentou, nesta quinta-feira (23/10), no Rio de Janeiro, o baixo nível da campanha promovida pela candidata petista Dilma Rousseff e aliados. Segundo Aécio, os ataques pessoais que ele e sua família vêm sofrendo transformam esta campanha eleitoral em uma das mais sórdidas da história do país e depõem contra sua adversária.

"Para mim, a candidata oficial já é uma derrotada, independentemente do resultado eleitoral, pela campanha que se permitiu fazer, isso não honra ninguém. Isso não dignifica a política", afirmou Aécio em entrevista coletiva à imprensa ao lado da filha mais velha, Gabriela. Antes da entrevista, ele se reuniu com o cardeal arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani Tempesta, e o senador Francisco Dornelles (PP-RJ).

Em seguida, Aécio acrescentou que "no futuro, essa campanha será estudada e, certamente, será tida como a de mais baixo nível de todas as campanhas que nós tivemos desde a redemocratização".

Aécio citou que houve casos em que pessoas foram presas ao distribuir panfletos com acusações falsas em relação a ele e sua família. O candidato lembrou ainda que há denúncias de pessoas que estão reproduzindo informações falsas sobre seu programa de governo.

"Hoje mesmo há denúncias de telemarketing assustando e aterrorizando pessoas que são beneficiárias do Bolsa Família. Quem age de forma tão sórdida como essa, em primeiro lugar, não está preparado para a democracia e, em segundo lugar, teme o resultado das eleições", afirmou Aécio, reiterando o compromisso de manter e ampliar o Bolsa Família, transformando-o em um programa de Estado.

Figura menor

Questionado sobre os ataques desferidos pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em atividades da campanha petista, Aécio lamentou as afirmações do petista, que em sua opinião reduziu-se a uma "figura menor" nesta campanha presidencial.

"É lamentável nós vermos um ex-presidente da República se sujeitando a cumprir um papel de protagonista dessa campanha sórdida e, a meu ver, criminosa do ponto de vista dos ataques", respondeu Aécio.

Aécio lembrou que Lula já fez acusações graves contra os ex-presidentes Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso e até mesmo José Sarney, hoje aliado petista. "Infelizmente, o ex-presidente Lula sai dessa campanha como uma figura menor da política brasileira", afirmou Aécio.

Biografia

O candidato reiterou que sua trajetória de vida é a melhor resposta que pode dar às acusações infundadas de Lula e adversários políticos. "A minha história de vida está aí. Eu, com 22 anos de idade, disputava eleições. Tenho 30 anos de mandatos consecutivos honrados, fiz uma trajetória de vida pública que os mineiros e os brasileiros reconhecem como uma trajetória rara", afirmou ele.

Aécio ressaltou que, aos 24 anos, era um dos jovens líderes da campanha em favor do voto direto dos eleitores para os governantes no Brasil, as Diretas Já. "Com 24 anos, eu estava ajudando a organizar a campanha das Diretas [Já] e depois como um dos coordenadores da eleição de Tancredo Neves, que nos livrou da ditadura e, infelizmente, o Brasil não teve lá o apoio desses que me acusam hoje", disse ele, lembrando que houve recusa do PT de apoiar a candidatura de Tancredo em 1984.

Pesquisas

Ao ser questionado sobre as pesquisas de intenção de voto, Aécio reafirmou seu otimismo e disse que elas servem como estímulo aos aliados e simpatizantes que querem a mudança para o Brasil. "Eu estou muito confiante, o movimento que nós estamos assistindo no Brasil inteiro - e vocês têm sido testemunhas de alguns desses movimentos - é algo avassalador", afirmou.

Segundo Aécio, o desejo de mudança é que vai garantir a vitória nas urnas. "Esse sentimento de mudanças, que eu chamaria de uma certa espiral silenciosa que se forma em todo o Brasil, vai nos levar à vitória no próximo domingo. Isso fica cada vez mais claro quando nós assistimos ao desfecho dessa campanha por parte dos nossos adversários", explicou, numa referência aos ataques petistas.

"E eu convido cada brasileiro, cada brasileira que ainda não tomou a sua decisão, que ainda avalia as propostas dos candidatos, que nos dê a chance de mudar o Brasil, inclusive de requalificação da política", afirmou Aécio. "Eu vou continuar firme para responder a todos os ataques, mas com enorme determinação de apresentar propostas e, vencendo as eleições, governar para todos os brasileiros", acrescentou.

TSE nega pedido da campanha de Dilma para suspender divulgação da revista Veja, com denúncia sobre petrolão







em 24 de outubro de 2014



O ministro Admar Gonzaga, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), negou nesta sexta-feira (24) o pedido de liminar feito pela campanha do PT e da presidente Dilma Rousseff de retirada da publicação da reportagem da revista “Veja”, divulgada em seu site na internet e no Facebook, que traz informação atribuída ao doleiro Alberto Youssef de que Dilma e o ex-presidente Lula sabiam do esquema de corrupção na Petrobras. Para negar o pedido, o ministro Admar Gonzaga justificou que o artigo da lei eleitoral citado na representação (art. 57-D, § 3º, da Lei das Eleições) para pedir a retirada do ar não está em vigor nas eleições deste ano. Ele arquivou a representação, sem julgamento do mérito

Na representação, a coligação de Dilma sustenta que a matéria veiculada pela Revista “Veja” é ofensiva à candidata e foi publicada na edição online da revista e em sua página do Facebook. De acordo com a representação, a revista teria antecipado sua edição para sexta-feira para “tentar afetar a lisura do pleito eleitoral”. A representação diz ainda: ” a matéria absurda de capa [...] imputa crime de responsabilidade à candidata Representante (…) e a mensagem ofensiva da capa da revista tem por objetivo bem delineado: agredir a imagem da candidata Representante” .

Em seu curto despacho, o ministro Admar Gonzaga afirmou o seguinte: “O dispositivo invocado para a suspensão da veiculação (§ 3º do art. 57-D da Lei nº 9.504/1997), consoante entendimento deste Tribunal Superior (Consulta nº 1000-75), não tem eficácia para o pleito de 2014, razão pela qual indefiro liminarmente a petição inicial e extingo o processo sem resolução do mérito, nos termos do art. 267, I, do Código de Processo Civil.”

Com isso, o PT não conseguiu barrar a divulgação da reportagem que revela conteúdo das delações premiadas do doleiro Alberto Youssef, que disse que Lula e Dilma sabiam do esquema de desvios e roubos comandados por uma quadrilha instalada dentro da Petrobras.


www.alvarodias.com.br


Cantagalo Cumprimento de Mandato Judicial, Nova Laranjeiras Atendimento em Local de Morte







 CUMPRIMENTO DE MANDADO JUDICIAL EM CANTAGALO – 16º BPM / 2ª CIA

No dia 23 Out. 14, às 14h, atendendo solicitação do investigador da polícia Civil, houve o
deslocamento de uma equipe até a Rua do Colégio, na Vila Schemin, onde foi realizado o
encaminhamento da pessoa, para o qual há o mandado de prisão. No local, este ao
avistar a equipe PM tentou se evadir correndo entre as casas quando foi dado voz de
prisão ao individuo sendo necessário utilização de algemas devido perigo de fuga do
mesmo entre os becos naquele local existentes, sendo o mesmo encaminhado para a
delegacia para as devidas providências. 


ATENDIMENTO EM LOCAL DE MORTE EM NOVA LARANJEIRAS–16ºBPM/ 2ª CIA

No dia 23 Out. 14, às 18h, entrou em contato com o destacamento policial militar de Nova
Larajeiras, a pessoa, cacique geral das aldeias indígenas, relatando que na aldeia
Taquara, uma residência havia queimado e que três indígenas estariam em óbito
(carbonizadas). No local a equipe constatou o fato, onde foram encontradas mortas, as
vítimas, 69 anos, 16 anos e 03 anos, que foram vistas pelos vizinhos pela ultima vez na
data de 22/10/2014 por volta das 18:00 horas. Realizado o isolamento do local até a
chegada dos investigadores da policia civil de Laranjeiras do Sul e a agente do IML de
Cascavel. Os populares relataram que não viram nada durante a noite, mais
possivelmente a casa teria queimado durante a madrugada.



Guarapuava, 24 de outubro de 2014.
Comunicação Social do 16º BPM

Aécio 54,6%,Dilma 45,4%, diz IstoÉ/Sensus





sexta-feira, 24 de outubro de 2014 – 9:28 hs.


Da IstoÉ:

Pesquisa ISTOÉ/Sensus realizada a partir da terça-feira 21 reafirma a liderança de Aécio Neves (PSDB) sobre a petista Dilma Rousseff nos últimos dias da disputa pela sucessão presidencial. Segundo o levantamento que entrevistou 2 mil eleitores de 24 Estados, o tucano soma 54,6% dos votos válidos, contra45,4% obtidos pela presidenta Dilma Rousseff.

Uma diferença de 9,2 pontos percentuais, o que equivale a aproximadamente12,8 milhões de votos. A pesquisa também constatou que a dois dias das eleições 11,9% do eleitorado ainda não decidiu em quem votar. “Como no primeiro turno, deverá haver uma grande movimentação do eleitor no próprio dia da votação”, afirma Ricardo Guedes, diretor do Instituto Sensus. Se for considerado o número total de votos, a pesquisa indica que Aécio conta com o apoio de 48,1% do eleitorado e a candidata do PT 40%.

PESQUISA ISTOÉ/Sensus

Realização – Sensus
Registro na Justiça Eleitoral – BR-01166/2014
Entrevistas – 2.000, em cinco regiões, 24 estados e 136 municípios do País
Metodologia – Cotas para sexo, idade, escolaridade, renda e urbano e rural
Campo – De 21 a 24 de outubro
Margem de erro – +/- 2,2%
Confiança – 95%



De acordo com Guedes, a pesquisa realizada em cinco regiões do País e em 136 municípios revela que o índice de rejeição à candidatura de Dilma Rousseff se mantém bastante elevado para quem disputa. 44,2% dos eleitores afirmaram que não votariam na presidenta de forma alguma. A rejeição contra o tucano Aécio Neves é de 33,7%. Segundo o diretor do Sensus, a taxa de rejeição pode indicar a capacidade de crescimento de cada um dos candidatos. Quanto maior a rejeição, menor a possibilidade de crescimento. Outro indicador apurado pela pesquisa Istoé/Sensus diz respeito á votação espontânea, quando nenhum nome é apresentado para o entrevistado. Nessa situação, Aécio também está à frente de Dilma, embora a petista esteja ocupando a Presidência da República desde janeiro de 2011. O tucano é citado espontaneamente por 47,8% dos eleitores e a petista por 39,4%. 0,2% citaram outros nomes e 12,8% disseram estar indecisos ou dispostos a votar em branco.

Para conquistar os indecisos as duas campanhas apostam as últimas fichas nos principais colégios eleitorais do País: São Paulo, Minas e Rio de Janeiro. O objetivo do PSDB e ampliar a vantagem obtida em São Paulo no primeiro turno e procurar virar o jogo em Minas e no Rio. Em São Paulo, Aécio intensificou a campanha de rua, com a participação constante do governador reeleito, Geraldo Alckmin, e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. De acordo com as pesquisas realizadas pelo comando da campanha de Aécio, em Minas o tucano já estaria na frente de Dilma e a vantagem veio aumentando dia a dia na última semana. Processo semelhante ocorreu em Pernambuco, depois de Aécio receber o apoio explícito da família de Eduardo Campos e do governador eleito, Paulo Câmara. Os mesmos levantamentos indicam que no Rio de Janeiro a candidatura do senador mineiro vem crescendo, mas ainda não ultrapassou a presidenta. Para reverter esse quadro, Aécio aposta no apoio de lideranças locais, basicamente de Romário, senador eleito pelo PSB, que deverá acompanhá-lo nos últimos atos de campanha. Para consolidar a liderança, Aécio tem usado os últimos programas no horário eleitoral gratuito para apresentar-se ao eleitor como o candidato da mudança contra o PT. Isso porque, as pesquisas internas mostram a maior parte do eleitor brasileiro se manifesta com o desejo de tirar o partido do governo.

No comando petista, embora não haja um consenso sobre qual a melhor opção a ser colocada em prática nos dois últimos dias de campanha, a ordem inicial é a de continuar a apostar na estratégia de desconstrução do adversário. Nas duas últimas semanas, o que se constatou é que, ao invés de usar parlamentares eleitos para esse tipo de ação – como costumava fazer o partido em eleições passadas — os petistas escalaram suas principais lideranças para a missão, inclusive o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a própria candidata. Os petistas apostam no problema da falta d’água para tirar votos de Aécio em São Paulo e numa maior presença de Dilma em Minas para procurar se manter á frente do tucano no Estado.



Via Fabio Campana